11/08/2013

Pai herói? Por quê?!

Reflexão para o Dia dos Pais


Por Janethe Fontes


Dias atrás, eu li uma reportagem sobre o caso de um jovem solteiro que resolveu cuidar sozinho de seu bebê de 2 meses e fiquei pensando, após ler o artigo e olhar rapidamente os comentários, que é tão raro um homem assumir sua “responsabilidade” como pai que, quando o faz, é tratado como um herói(!).

Difícil entender como o fato de um homem assumir seu papel junto à sua prole (sim, porque entendo que ser “pai” é justamente tomar o espaço e a responsabilidade que lhe compete junto ao filho), pode causar tanto espanto que lhe mereça até uma medalha por sua ação tão “especial”. E é difícil entender porque sabemos que milhões de mulheres fazem isso e nem por isso são consideradas heroínas. Aliás, muito pelo contrário disso! Para uma sociedade machista como a nossa é obrigação da mulher, e apenas da mulher, a criação dos filhos. Ao homem cabe, apenas, a parte financeira, ou seja, se o camarada pagar a pensão alimentícia já estará cumprindo suas “obrigações de pai”.

A reportagem cita que depois de um relacionamento curto, César descobriu que seria pai no final de 2012. “A mãe não tinha condições de ficar com o Heitor por questões particulares, e então eu teria que ficar com a guarda e a total responsabilidade sobre ele” contou” e isso foi o suficiente para render uma enxovalhada de comentários onde a mãe foi duramente criticada, pela sua atitude “horrorosa” de abrir mão do filho, e o pai elevado às alturas, pela atitude “espantosa” de assumi-lo!

Uma pessoa chegou a comentar que: “Independente de qualquer motivo, Mãe é mãe e jamais abandona seu filho! Nem um animal abandona seu filho, quem dirá um ser humano! Essa coisa nem de mãe merece ser chamada!” Nesse comentário, a pessoa diz que nem um animal abandona seu filho, mas não lembrou que muitos homens fazem isso e nem por isso são massacrados pela sociedade. Longe disso!! E outra jovem disse que para “Uma mulher criar o filho sozinha é muito mais fácil, esse rapaz merece o parabéns sim! Não é qualquer homem que faz isso!” e eu fiquei me perguntando o que faz alguém pensar assim. Será que essa pessoa pensa que pelo simples fato de ser mulher tem-se algum poder especial? Eu não tenho! Ou será que ela pensa que a mulher precisa de menos horas de sono que o homem e por isso ficar a noite toda acordada não faz qualquer diferença ao sexo feminino? Eu desconheço completamente isso!!

Enfim, creio que se a reportagem foi feita para homenagear o dia dos pais, como alguns defenderam, talvez o mais correto seria mostrar que assumir a responsabilidade pelo filho é uma obrigação tanto do pai, quanto da mãe ou de qualquer outra pessoa que se propor a “criar” uma criança. Mostrar que o homem deve sim tomar o lugar que lhe cabe e participar ativamente na criação daquelx que ele também gerou.

E, aos pais que agem assim, não há necessidade de render homenagem como se isso fosse a coisa mais extraordinária do mundo, afinal isso devia ser visto como algo normal, comum. E o fato de não ser visto desta forma, já demonstra o quanto a nossa sociedade é machista.

Mas eu ainda tenho fé que um dia pais “responsáveis” serão vistos como uma normalidade, e não como heróis por serem raros!

FELIZ DIA DOS PAIS a todos aqueles que, como meu marido, não são especiais porque assumiram seus papéis, mas sim porque sabem que isso é o que devem fazer enquanto PAIS de verdade!

FELIZ DIA DOS PAIS também às mães ou quaisquer outras pessoas que, por algum motivo, ou vários, assumiram sozinhas a criação do(s) filho(s)!

FELIZ DIA DOS PAIS a qualquer pessoa que assumiu o papel de pai de uma criança, independentemente de sua orientação sexual!

   





Obs.: Gostaria de deixar bem claro que ao citar o caso acima, eu não quis, de maneira alguma, tecer crítica ao rapaz; muito pelo contrário! Minha crítica é dirigida à reportagem que colocou o caso como se fosse algo muito espantoso, a começar pelo título da reportagem: ‘Pai solteiro', universitário do Sul do RJ cuida sozinho de bebê de 2 meses. Imaginem se a reportagem fosse: “‘Mãe solteira', universitária do Sul do RJ cuida sozinha de bebê de 2 meses”? Será que teria causado algum espanto, admiração e defesa? ...Com certeza, não.

0 comentário(s):

Postar um comentário

Quando a última árvore cair, derrubada; quando o último rio for envenenado; quando o último peixe for pescado, só então nos daremos conta de que dinheiro é coisa que não se come".

(Índios Amazônicos)

Twitter Facebook Google+ Email More