29/12/2015

Conclusão de 2015: Publicar livro impresso não tem valido a pena!


Receber em um mês (referente as vendas de UM único mês), da Amazon, um valor que demorava até um ano para ser reembolsado pelas editoras (referente as vendas de vários meses) tem feito eu pensar seriamente em manter uma carreira literária independente e publicar apenas em e-book.

Já estou com 3 livros na Amazon e, no próximo ano, pretendo publicar mais 2 até março.

O fato é que para receber o "acerto" de editoras "tradicionais", muitas vezes, o processo é demasiado lento, desgastante, já que são raros os casos onde o autor não precisa ficar cobrando. Isso quando recebe "o dinheiro", porque não é incomum a editora querer fazer o acerto "em livros" ou de outra forma qualquer.

Fora que para vender um bom número de livros impressos, geralmente, o autor tem de fazer presença em eventos, sejam eles em livrarias ou feiras/salões/bienais de livros, o que, obviamente, gera custo que, na maioria dos casos, fica por conta do autor, pois são deduzidos dos seus royalties.

Há ainda também problemas com as livrarias "físicas" que, para fazer o acerto, às vezes, demora anos. É, é isso mesmo: anos!!

Enfim, depois de 7 anos de experiência no mercado literário, tendo 4 livros publicados "em formato impresso" e 3 em e-book, cheguei à conclusão que para publicar numa editora tradicional, o contrato tem de ser realmente bom. Do contrário, não vale mais a pena!


0 comentário(s):

Postar um comentário

Quando a última árvore cair, derrubada; quando o último rio for envenenado; quando o último peixe for pescado, só então nos daremos conta de que dinheiro é coisa que não se come".

(Índios Amazônicos)

Twitter Facebook Google+ Email More